Corrimento vaginal pode ser evitado

Alimentação e hábitos simples podem ajudar a prevenir o problema
Por Redação
Dreamstime
Dreamstime

Por Redação

Irritação, coceira e ardência na região da vagina são desconfortos conhecidos pelas mulheres. Os sintomas podem revelar um quadro de corrimento ou vaginite, outro nome pelo qual essa doença ginecológica é conhecida. Apesar do aspecto não ser dos melhores, o ‘liquido' que molha a calcinha pode ser uma forma de defesa do organismo: a secreção produzida pelo útero por vezes apresenta em sua composição fungos e bactérias que estimulam as células da vagina, protegendo-a. Mas como diferenciar um simples corrimento de uma doença feminina?

Leia também:

Dossiê das frutas lista seus principais benefícios à saúde

Benefícios do limão: fruta detox ajuda a eliminar gordura

Frutas oleaginosas emagrecem mesmo sendo ricas em gorduras

Segundo a ginecologista Rosa Maria Neme, diretora do Centro de Endometriose São Paulo, especializada no tratamento da doença, explica que corrimento normal é aquele sem cheiro, que não coça e que pode ter uma coloração parecida a de clara de ovo ou um pouco mais branca. "Este tipo de corrimento pode aparecer, preferencialmente, na época da ovulação, que corresponde ao meio do ciclo menstrual e pode se intensificar no período antes da menstruação", explica a médica.

Algumas mulheres podem apresentar uma secreção maior em relação às outras, principalmente se estiverem fazendo uso de algumas medicações, como anticoncepcionais, revela a especialista. "O corrimento mais comum é chamado de candidíase. Ele aparece por uma proliferação de um fungo, chamado cândida que está presente, normalmente, no intestino de qualquer mulher", completa.

O aparecimento de um corrimento branco pode acontecer decorrente da diminuição da defesa do corpo da mulher: estresse ou uso de antibióticos são causas que levam ao crescimento descontrolado do fungo dentro da vagina. Os sintomas mais frequentes são coceira e ardor vaginal. Nestes casos, revela Rosa, o tratamento é feito com comprimidos e cremes vaginais. A ginecologista diz que, para identificar quando a situação é anormal, é só observar a coloração. "Se for amarelo esverdeada, coçar e der ardor, deve-se procurar um ginecologista para avaliar qual a causa do problema e, assim, tratá-lo adequadamente", conclui.

Como evitar

A alimentação tem um papel fundamental no organismo humano. Na mulher, uma dieta equilibrada ajuda ainda a manter a produção constante dos lactobacilos vaginais - que são as células de defesa da vagina - e manter o pH (grau de acidez) vaginal equilibrado. "Isso evita a colonização de bactérias estranhas ao corpo da mulher. Tudo que aumente o calor e a umidade dentro da vagina, pode predispor a um aumento do corrimento", finaliza.

Confira hábitos simples que podem e devem ser adotados no dia a dia, que evitarão que este desconforto:

1. Dormir sem calcinha: diminui o calor na vagina;

2. Usar calcinhas de algodão: este tecido esquenta menos que os sintéticos, por isso o fungo ou bactéria têm uma menor tendência de se proliferar;

3. Uso de sabonetes íntimos diariamente no banho: eles ajudam a manter a flora vaginal normal equilibrada;

4. Não usar roupas apertadas: aumentam a produção do calor e tornam a vagina um bom meio de proliferação desses fungos;

5. Não deixar a calcinha pendurada no banheiro: isso pode estimular a proliferação dos fungos na lingerie;

6. Secar os pelos da vulva com um secador após o banho: isto ajuda a diminuir a umidade da região.

Matérias Recomendadas