null: nullpx
birra-Mulher

Como acabar com a birra sem perder a paciência nem desrespeitar a criança

Publicado 8 Ago 2019 – 06:00 AM EDT | Atualizado 8 Ago 2019 – 06:00 AM EDT
Reações
Compartilhar

Choros insistentes, cenas de escândalo em lugares públicos, gritos desafiantes, enfim, as características de uma birra infantil deixam pais de cabelos em pé e até mesmo surpresos com a capacidade dos pequenos de tirar qualquer um do sério.

As birras do seu filho são importantes e fazem bem para ele, já que são fundamentais para o desenvolvimento das crianças. Mas é preciso, claro, impor limites. Como fazer isso sem perder a paciência ou desrespeitar os pequenos?

Dicas para acabar com a birra dos filhos

De acordo com o pediatra Reginaldo Freire, as teorias de disciplina positiva, desenvolvimento neurocompatível e criação com apego ajudam a colocar limites e educar com segurança e firmeza sem, no entanto, mimar a criança.

O primeiro passo é trabalhar a tranquilidade e a paciência. Respirar fundo e transmitir calma à criança ajuda a acabar com a birra, ao contrário dos gritos e das broncas que confundem ainda mais o pequeno e, consequentemente, aumentam o choro. Não é fácil, requer prática, mas não é impossível.

Durante uma birra, procure explicar à criança, com firmeza e seriedade, por que negou o que ela queria. Pode parecer que elas não entendem, mas são, sim, capazes de compreender a mensagem, sem agressões.

Abrace seu filho. No momento da birra, o sistema nervoso simpático da criança está agitado e descontrolado, o que eleva o hormônio de estresse. O abraço pode estimular a produção de ocitocina, o hormônio do bem-estar, que vai atuar como o freio do comportamento ruim, ajudando o pequeno a dosar as emoções que está sentindo.

Se as birras são frequentes e ocorrem dentro de casa, experimente estabelecer uma rotina estável. O comportamento acontece em momentos de adaptação, como na hora banho, de dormir, de se alimentar. Manter uma rotina torna as situações mais familiares, evitando o estranhamento dos processos.

A longo prazo, os pais precisam entender que paciência e persistência são fundamentais para educar a criança e evitar os castigos.

O processo é difícil e trabalhoso, mas quando você ensina seu filho de forma respeitosa e sem agressões, faz com que ele seja capaz de conhecer sozinho os caminhos certos e agir de forma adequada mesmo quando você não está presente.

Castigo prejudica a criança

Reações
Compartilhar

Mais conteúdo de interesse