Ponto G, H, Y, Z

por | jan 10, 2011 | Beleza

O PONTO G – O ponto de Grafemberg foi apelidado carinhosamente de ponto G para os mais íntimos. Segundo a sexóloga Marilene Vargas, ele está localizado na entrada da vagina, mais ou menos a 3 centímetros da porta de entrada: “Imaginando um relógio, está entre as 11 e 13 horas. É formado por seguimentos nervosos e glândulas de Skene. Apresenta uma textura diferente, mais fofa, que se incha quando estimulada”. Ela compara o ponto G ao botão de start do motor do orgasmo vaginal. Sobre a polêmica acerca do tema e o fato de alguns médicos alegarem que o ponto G não existe, Marilene é taxativa: “Todo mundo tem ponto G, quem diz o contrário é porque não soube procurar direito!”, provoca.

PONTO P – Bem pertinho do ponto G, só um pouco mais adiante, fica o ponto P. Já ouviu falar? Vamos às apresentações: ponto P, essa que nos lê é a usuária do Bolsa. Usuária do Bolsa, esse aqui é o ponto P. Muito prazer – muito mesmo! “Formado pelos ramos da glândula de Skene, é um ponto um pouco menor e, para conseguir detectá-lo, é preciso conhecimento do corpo e muita prática”, afirma a sexóloga. Uma vez frente a frente com o tal ponto, ninguém vai ter dúvidas de que achou o danado: segundo a sexóloga, a sensação de prazer obtida é muito diferente do comum e há relatos de ondas crescentes de prazer. Oba!

PONTO Y – No fundo da vagina fica localizado o chamado ponto Y, perto do colo do útero. “Durante o orgasmo ocorre o descolamento do muco cervical e o homem sente um jato quente derramando-se na ponta do pênis”, explica Marilene, acrescentando que isso costuma acontecer entre o 10º e o 18º dia do ciclo menstrual, quando a quantidade de muco é maior. Ao contrário do que se pode imaginar, a médica garante que não é necessário que o parceiro seja do time dos bem-dotados para conseguir alcançar o ponto lá no fundo. “Basta que o casal seja compatível anatomicamente”, afirma ela.

O PONTO S – É mais conhecido pelas sociedades hindus e chinesas. “Sabe-se pouco sobre o ponto de Saspandra. Apenas que ele fica no terço posterior da vagina e é mais um lugar a ser explorado e provocar sensações prazerosas”, resume Marilene, uma vez que não há um estudo histológico mais aprofundado nesse caso.