Meu bebê tem alergia a leite. E agora?

por | jun 30, 2016 | Gravidez e bebês

Mariana Bueno

Do Bolsa de Bebê

Durante a gravidez, a expectativa é grande em relação à chegada do bebê e, principalmente, ao momento da amamentação. Acontece que algumas crianças nascem com alergia ao leite, até mesmo o materno, o que faz com que algumas mães não possam vivenciar essa experiência. Além disso, precisam recorrer a outro tipo de alimentação que possa garantir a saúde do bebê.

Leia também:

Amamentação: 10 mitos e verdades sobre o tema

Desmame do bebê precisa ser feito com orientação

Prepare o seio para evitar dores e rachaduras ao amamentar

Um ponto importante é diferenciar a alergia da intolerância à lactose. “Essas duas patologias são frequentemente confundidas pelo fato de ter um alimento causador em comum: o leite. Mas são bem diferentes entre si e ambas necessitam de acompanhamento médico e nutricional. A Intolerância à lactose ocorre porque o organismo não produz ou produz pouca quantidade da enzima lactase, responsável pela digestão da lactose, e a falta dessa enzima favorece o acúmulo da lactose no intestino, onde atrai água, ocorre fermentação por bactérias, provocando diarreia, gases, cólicas e distensão abdominal. Pode ser genética ou surgir em outras situações, como após quimioterapia, radioterapia, doenças gastrintestinais, entre outras. Neste segundo caso pode ser transitória ou não. Geralmente quando persiste, tende a piorar com a idade”, explica o pediatra Marcelo Reibscheid, da UTI Neonatal do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Já a alergia ocorre pela presença de algumas proteínas do leite que são identificadas pelo nosso sistema imunológico como um agente agressor, desencadeando vários sintomas desagradáveis, como: diarréia, gases, cólicas, distensão abdominal, lesões na pele, dificuldade de respirar, pequeno sangramento intestinal, entre outros. “Ocorre mais agressivamente nos primeiros anos de vida, principalmente na transição do leite materno para o leite de vaca e em bebês menores de 6 meses de vida. Os sintomas tendem a diminuir com passar dos anos”, afirma.

No caso dos bebês, pode acontecer de já nascerem com alergia ao leite da mãe, ou de aceitarem bem, mas apresentarem algum sintoma quando for introduzido o leite de vaca. Diagnosticar rapidamente para que se inicie o tratamento correto é fundamental. “Na intolerância é necessário excluir ou ingerir baixa quantidade de alimentos que contenham lactose (depende o grau de intolerância), já na alergia ao é excluída a ingestão de qualquer proteína do leite ou alimentos que contenham frações desta para evitar o desencadeamento do processo alérgico”, explica o médico.

O leite em pó pode ser uma boa opção, desde que em fórmulas livres das proteínas causadoras das doenças e somente com aminoácidos. A melhor forma de oferecê-lo ao bebê é na mamadeira. “Confira se o bico usado é o ideal para a idade do bebê e veja se a posição em que está sendo colocado na boca está correta”, diz.