5 regras que Tatá Werneck criou para a gravidez que todo mundo devia aprender

por | jul 26, 2019 | Gravidez e bebês

Tatá Werneck está grávida da primeira filha, fruto do relacionamento com o ator Rafael Vitti, e tem usado o bom-humor que lhe é característico para falar sobre as mudanças e descobertas do período.

E foi assim que a apresentadora e humorista apresentou seus ” mandamentos da gravidez“, no comecinho de um episódio da nova temporada do “Lady Night”, seu programa de entrevistas do Multishow, que também é exibido na Globo.

Em tom de piada, Tatá apresentou algumas regras importantes, que todo mundo que está convivendo com uma gestante deveria seguir.

Como conviver bem com a mulher grávida

Sob o título de ” mandamentos da minha gravidez“, Tatá apresentou 5 regras importantes que ensinam sobre respeito, empatia e acolhimento à mulher gestante, especialmente quando trata-se de uma mãe de primeira viagem. Quando estão grávidas, muitas mulheres não recebem o apoio necessário de seus familiares, amigos e colegas de trabalho.

Alguns comentários podem chatear e deixar ainda mais preocupada a futura mãe que está vivendo dificuldades na gestação, isso quando o episódio não é, simplesmente, um tremendo desrespeito.

Veja as regras criadas para a gestação de Tatá Werneck, que podem ajudar a melhorar o convívio de todo mundo com mulheres gestantes. Lembrando que quem impõe as regras é sempre a própria mãe, ok?

Mandamentos da gravidez de Tatá Werneck

1) Não tocarás na minha barriga sem a minha permissão

Não é por que uma mulher está gerando uma nova vida, que seu corpo vira objeto público. Você gostaria que alguém colocasse a mão em sua barriga do nada?

Se é uma pessoa da sua total intimidade e sua intenção seja apenas fazer um carinho, mostrar sua afeição pela pessoa querida, é sempre de bom tom perguntar se tudo bem acariciar a barriga. Se a resposta for negativa, não vale fazer cara feia e achar que é frescura. O corpo é dela.

2) Não olharás para o meu peito

A discussão é tão antiga que chega a cansar, mas quem é mãe sabe bem que tipo de situação existe para se sentir desconfortável com esses olhares. Foi a própria Tatá Werneck que concluiu o raciocínio com brilhantismo: “Estou amamentando uma criança e não seu desejo nojento e sórdido”.

Só para reforçar: ela não precisa se cobrir, ok? Uma mãe amamentando seu filho jamais deveria sentir que está “provocando” o sexo masculino ao dar o alimento tão importante para o seu bebê.

3) Não me mostrarás as fotos dos seus filhos

Nesse tópico, Tatá brinca com a mania de pais e mães de sempre acharem que todo mundo está interessado nas 500 fotos iguais que eles tiram dos próprios filhos: o bebê comendo, o bebê acordando, o bebê sorrindo, o bebê chorando, o bebê tomando banho…

Todo mundo sabe que mãe e pai são corujas e tudo bem fazer registros dos pequenos. Só é preciso tomar cuidado para não cansar as outras pessoas e encher os cartões de memória dos celulares alheios com registros da intimidade da própria família. Segundo Tatá: “Eu amo ver as fotos dos meus filhos, não dos seus”.

4) Não dirás: “Nossa, eu não passei por isso na minha gravidez”

“A filha está na minha barriga e não na sua”. Apesar do tom de brincadeira, Tatá representou todas as mães ao falar sobre esse mandamento. Cada mulher é uma mulher e uma gestação é diferente da outra. Se aquela mulher recebe acompanhamento médico adequado e não perguntou como foi na SUA gestação, não há motivo para acreditar que SUA experiência valha para todo mundo.

Em alguns casos, esse tipo de comentário pode trazer ainda mais aflição e soar como um tipo de comparação que não é positiva e não faz bem para a futura mãe. Guarde esse tipo de comentário para quando for solicitada: isso significa que essa mãe aprecia seu relato e que gostaria de conselhos.

5) Não dirás: “Sua vida nunca mais será a mesma”

Vamos pensar que a partir do dia em que a gestante descobriu a gravidez, ela passou a sofrer com mudanças corporais todos os dias, ela pensa em seu futuro e no futuro do bebê, reflete sobre a carreira, a educação do filho, a parceria com o companheiro (ou companheira), na violência do mundo e tudo mais… Sim, ela já sabe que a vida nunca mais será a mesma.

No entanto, também é importante lembrar que a gestante é uma mulher como outra qualquer, que tem sua história, suas vivências, seus desejos e personalidade. A vida vai mudar, mas ela estará pronta para o que der e vier, porque quando nasce um filho, também nasce uma mãe.

Assista ao vídeo com os mandamentos da gravidez de Tatá Werneck:

Maternidade real

Lado ruim da maternidade: o que quase ninguém te conta antes de ser mãe

• 12 coisas em que você vai falhar – e você não será uma mãe pior por isso

• Desabafo de atriz mostra a vida real da mãe solo: “Deixem a gente em paz”